1111

Pessoas queridas do meu coração, o combinado era de posts segunda, quarta e sexta, mas esta semana será diferente pelo maior e mais importante motivo da minha vida, os meus pais!

Hoje, 06 de fevereiro de 2014 a Dona Suzana e o Sr. Macedo comemoram 34 anos de casados, sim 34 ANOS!!

Bodas de Oliveira (3)

Todo mundo acha os seus pais sensacionais, os melhores do mundo, mas os meus são realmente os melhores entre os melhores do universo, não há quem os conheça e não diga que eles são únicos, inacreditáveis, os mais companheiros e presentes pais do universo! Eu os amo mais que tudo nessa vida, temos uma relação megaultrasuperhiper próxima e amorosa, e hoje eu quero homenageá-los.

PaiEngenheiroTer um pai engenheiro tem os seus benefícios, inclusive em montagens de casamentos!

Eles estão sempre comigo, me apoiam em tudo que podem. Meus pais são mais que apenas pais, são amigos verdadeiros, companheiros que sei que poderei contar em cada minuto da minha vida. E hoje o dia é só deles!

Bodas de Oliveira (6)

No dia 06 de fevereiro de 1980 a Suzana Schneider entrou na Igreja Santa Terezinha – a da José Bonifácio aqui em Porto Alegre – com um vestido branco perfeito, todo de renda, com um corte sequinho, decote canoa. Os cabelos naturalmente cacheados estavam soltos, e o rosto praticamente sem maquiagem. Eles casaram na década de 80, mas graças a Deus era o comecinho, e a mãe foi uma noiva setentinha. Ela sempre contou que quando a maquiadora terminou ela olhou, odiou a maquiagem e foi lavar o rosto no banheiro. Assim ela casou, linda, leve e no auge dos seus 19 anos.

O noivo, Milton Heyde de Macedo, estava com um terno azul clarinho que eu tenho certeza que ainda mora no armário dele, um terno com um corte bem setenta também, os seus cabelos longos não escondiam o pezinho contestador daquele jovem de 21 anos.

Casaram em uma cerimônia super tradicional Católica, para alegria da minha avó, bisavó e toda a família Concli e Schneider! A recepção foi na Casa de Portugal para a alegria da família Macedo, verdadeiramente portuguesa.

Bodas de Oliveira (4)

Eu cresci vendo as fotos, ouvindo as histórias do casamento e tudo isso sempre gerou muita curiosidade, muito amor e admiração. Conforme eu fui crescendo eu fui admirando mais e mais aqueles dois adolescentes apaixonados que decidiram se casar com 19 e 21 anos, que um ano e pouco depois tiveram um filho, mudaram de estado na cara e na coragem algumas vezes, batalharam por cada conquista, e superaram cada uma das muitas dificuldades.

Com o passar dos anos eu fui percebendo que eles não são perfeitos, que o casamento deles não é perfeito, mas que a história deles é! Juntos eles construiram uma família forte, conquistaram sozinhos tudo que possuem, podem olhar para trás com um orgulho tremendo e olham juntos para frente com uma coragem que me ensina a cada dia.

Eles são tão diferentes, tão melhores juntos que separados, tão amados e admirados por mim todos os dias e a cada dia mais!

Pai e mãe, obrigada por serem o melhor exemplo de ser humano, de casal, e de família que eu poderia ter.

Comemorem hoje e sempre embalados pela música de vocês.